Campanha de controlo do chorão-das-praias: uma espécie invasora nas areias dunares da praia do Furadouro

O chorão-das-praias é uma planta invasora. Os extensos tapetes de chorão que vemos nas dunas impedem o desenvolvimento das plantas nativas. São as plantas nativas - e não o chorão - que contribuem para a fixação de areia nas dunas.

O litoral do concelho de Ovar enfrenta um grave problema de erosão costeira, bem evidenciado pelo recuo da linha de costa, que tem vindo progressivamente a provocar a diminuição do areal nas praias do concelho. A praia do Furadouro, é a mais frequentada do concelho, sendo também aquela em que o desaparecimento do areal é dos mais evidentes. Com uma frente de praia protegida por um enrocamento frontal e dois esporões, o areal nesta zona é já inexistente, sendo atualmente a zona Sul da praia, a que é procurada na época balnear pelos turistas, por proporcionar ainda um areal suficiente, limitado por um cordão dunar instável, com frequentes investidas do mar.

As dunas são os únicos ecossistemas que naturalmente protegem a costa contra o avanço do mar. Contudo, o equilíbrio do ecossistema dunar está também ameaçado pela proliferação de uma espécie invasora: o chorão-das-praias, Carpobrotus edulis, que põe em risco a sobrevivência das espécies autóctones que efetivamente fixam as dunas.

Conscientes desta problemática, um grupo de alunos do Ecoclube Júlio Dinis, promoveu uma ação de controlo e arranque de chorão num setor da praia do Furadouro, junto aos passadiços, na zona Sul, de acesso à praia.  Uma atividade inserida na semana das espécies invasoras, SEI24, no dia 11 de maio, que para além do impacto visual na área de ação, contribuiu também para sensibilização e informação das pessoas que passavam e que, na sua maioria, desconheciam o estatuto de espécie invasora conferido ao chorão bem como as consequências da sua proliferação, para o ecossistema dunar. À medida que o chorão ia sendo arrancado da areia, iam ficando visíveis os representantes da biodiversidade nativa destes ecossistemas como a Calystegia soldanela e a Medicago marina L. – Luzerna da praia, que passarão a ter as condições do ambiente necessárias ao seu bom desenvolvimento, para que assim possam desempenhar a sua função na fixação das areias que constituem as dunas.

Após o arranque do chorão, este biorresíduo, é transportado para o Ecocentro de Ovar onde será encaminhado para reciclagem.

Esta campanha foi muito importante para sensibilização da população sobre os malefícios para o ecossistema dunar da presença de espécies invasoras como o chorão, sendo por isso necessário o controlo desta espécie para a sobrevivência das espécies nativas, que são as responsáveis pela fixação das dunas.

Ecoclube Júlio Dinis

Alunos do Ecoclube Júlio Dinis